Lei entra em vigor, e cachorro pode ir à praia no Rio

Lívia Marra

Cães já podem acompanhar os tutores durante passeios e frequentar as praias na cidade do Rio.

Lei sobre o assunto foi promulgada na terça-feira (24) pela Câmara e publicado nesta quarta no Diário Oficial da Casa. Isso porque o prefeito, Marcelo Crivella (PRB), não se manifestou dentro do prazo previsto sobre o projeto, aprovado em agosto pelo vereadores.

De autoria do vereador Luiz Carlos Ramos Filho (Pod), a lei impُe regras para a diversão do pet.

Conforme o texto, o animal pode frequentar a areia desde que estejam de coleira, sadios e vacinados— o responsável deverá portar o certificado de vacinação, ou cópia física ou digital, que contenha ainda a etiqueta semestral de vermifugação, caso seja solicitado pela fiscalização.

Caberá ao tutor também recolher os dejetos do animal.

O texto prevê a possibilidade de o Poder Público delimitar faixas de areia para permanência e circulação de cães —e, nesse caso, pode haver multa para quem desrespeitar a regra. A regulamentação ainda deve ser feita.

PELO PAÍS

Algumas cidades não permitem animais na areia. O veto varia conforme o município e prevê advertência e multas.

CUIDADOS

Se, por um lado, o argumento para vetar animais nas praias é o risco de transmissão de doenças aos humanos, especialmente por meio das fezes, a combinação água salgada, sol e areia também representa risco aos pets.

Praia pode ser fonte de otites, conjuntivite, problemas dermatológicos e da dirofilariose, doença também conhecida como verme do coração —que pode ser evitada com vermifugação, por isso o veterinário deve ser consultado antes da viagem.

Cães também precisam protetor solar contra câncer e devem evitar exposição entre as 10h e as 16h. Alem disso, o solo quente pode queimar as almofadas das patinhas.

Hidratação é fundamental. E, depois da brincadeira na praia, o bichinho deve tomar um bom banho para tirar todo sal e areia —mas é importante tomar cuidado com o ouvido e secar bem o animal.