Ativistas protestam após morte de cachorro, e Carrefour afasta equipe para investigação

Atualização: Após caso Manchinha, Carrefour diz que revisará política animal e criará ‘pet day’
Atualização - 8.dez.12 - Manifestantes protestam contra morte da cadela Manchinha; loja do Carrefour fica fechada
Atualização - 7.dez.18: Suspeito de agredir cadela no Carrefour e veterinária são ouvidos pela polícia

*

A morte de um cachorro abandonado em uma unidade do Carrefour em Osasco (Grande SP) provocou a reação de protetores e ativistas.

Ele teria sido agredido por um funcionário no dia 28, segundo denúncia nas redes sociais. Imagens mostram manchas de sangue no chão, próximo ao animal. As informações ainda são desencontradas, e também há possibilidade de o bichinho ter sido envenenado.

Um laudo determinará a causa da morte. Em nota, o Carrefour diz que repudia maus-tratos e que a equipe responsável pela segurança naquele dia foi afastada preventivamente, até a conclusão das investigações.

De acordo com os relatos, o cachorro estava na unidade havia alguns dias e chegou a ser alimentado por funcionários. Com o animal ferido, o CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) foi chamado e socorrido, mas ele não resistiu. A versão de atropelamento foi levantada, mas contestada por outros empregados, apontam as denúncias.

No sábado (1º), Beatriz Silva, presidente da ONG Bendita Adoção, e uma advogada estiveram na loja. Em transmissão pelo Facebook, disseram que testemunhas confirmaram a agressão.

O delegado Bruno Lima, eleito deputado estadual pelo PSL, também esteve no local. Segundo ele, um boletim de ocorrência deve ser feito assim que o laudo for divulgado.

Na noite de sábado, um grupo protestou na unidade.

Maus-tratos contra animais é crime previsto em lei e que pode render pena de detenção de três meses a um ano, além de multa.

OUTRO LADO

Leia a íntegra da nota divulgada pelo Carrefour:

“A rede informa que repudia veementemente qualquer tipo de maus-tratos. Esclarece ainda que, preventivamente, afastou a equipe responsável pela segurança do local no dia da ocorrência até que a rigorosa apuração em curso seja concluída e as devidas providências adotadas. Reforça também que, assim que notou a presença do animal nas dependências da loja, o acolheu, oferecendo água e comida, até que a equipe do Centro de Controle de Zoonoses de Osasco chegasse ao local para o devido atendimento.”

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)