Sorvete de ração é opção no calor; veja 10 dicas para o bem-estar do pet

O calor é um convite a brincadeiras ao ar-livre, mas deixar o pet exposto ao sol pode causar desidratação, hipertermia, queimaduras nas patinhas e câncer de pele.

Por isso, é importante tomar alguns cuidados para proteger e garantir o bem-estar do animal.

“Como não transpiram, os bichinhos trocam calor pela boca e têm maior dificuldade para manter a temperatura corporal”, diz a veterinária Karla Marques, coordenadora do setor de filhotes da Petz.

Animais obesos e os de focinho curto— como bulldog, pug e shih tzu são os mais afetados.  Os sintomas são respiração ofegante, apatia, fraqueza, falta de apetite, vômitos, diarreias e até convulsões ou desmaios.

Para refrescar e manter o animal saudável vale fazer sorvete de ração e mudar horário dos passeios

Veja abaixo dez dicas da veterinária para proteger o pet no calor:

– Ração e sorvete – Mantenha a alimentação normal com ração balanceada que tem todos os nutrientes que o pet precisa. Mas deixe o pote sempre à sombra e retire as sobras para evitar deterioração. Para amenizar o calor, ofereça também o sorvete de ração. “É só bater a ração no liquidificador, colocar em forminhas de gelo e congelar”, afirma.

– Água fresca – Troque com frequência a água da vasilha, para que esteja sempre fresca e disponível, e estimule o pet a beber mais vezes ao dia. Nos passeios, leve o cantil ou use os bebedouros de parques e lojas mais vezes.

– Passeios – “Os melhores horários são iguais aos usados para passear com um bebê, entre as 6h e as 10h, e após as 17h”, diz a veterinária da Petz. O asfalto quente deve ser evitado para não causar queimaduras nos coxins, as “almofadinhas” das patinhas dos pets.  Ao notar que o bichinho está ofegante, é importante parar num local fresco, oferecer água e borrifar um pouco dela pelo corpo do cão.

– No carro – Mantenha a ventilação do veículo e, em caso de viagens longas, faça paradas para o pet se refrescar. Com apenas 10% de perda de fluidos corporais, eles já podem desidratar. Os sintomas são perda de elasticidade da pele, letargia, perda de apetite, olhos fundos, focinho, boca e gengiva secos.

– Filtro solar – Use filtro solar específico para pets no focinho, extremidades das orelhas e barriga para evitar câncer de pele. Os mais afetados são os de pelagem e pele mais claras, como o pit bull branco, maltês, whippet, staffordshire terrier americano e boxer branco.

– Atividades – Esportes e exercícios devem ser feitos sempre em horários de calor mais ameno, como no começo da manhã ou no final da tarde. Caso o pet goste de nadar, como o labrador e o golden, é preciso ter cuidado com os ouvidos e com o pelo, secando bem e retirando todo o resíduo de cloro ou de água salgada, para evitar inflamações e micose.

– Mais sombra – Pets que ficam em quintal ou varanda precisam de um local fresco, para que possam se proteger do calor e das chuvas de verão. O ideal é que tenham opções de sombra para se abrigar, além de um piso frio para deitar esparramado, ajudar a baixar a temperatura e facilitar as trocas de calor.

– Sem pulga – A hipersensibilidade à picada de insetos é a causa mais comum das alergias em cães. Por isso, intensifique os cuidados contra picadas de insetos, pulgas e carrapatos, pois as temperaturas altas formam um ambiente ideal para a proliferação deles. Peça orientação ao veterinário para utilizar os produtos mais apropriados para o seu pet.

– Doença da praia – Para aqueles que vão ao litoral ou que moram em cidades que têm praia, é preciso prevenir contra a dirofilariose. Ao picar, o mosquito transmite parasita que se aloja no coração de cães e gatos, provocando lesões e até insuficiência cardíaca. Procure o veterinário para indicação de vacina ou uso de vermífugo para prevenção.

– Vacinação em dia – A carteira de vacinação deve estar em dia, pois no calor há mais contato entre os pets, e a temporada de chuvas pode trazer risco de leptospirose.

(Foto: AFP)