Ingerir ossos pode ser perigoso; veja cinco motivos para não dar ao seu cão

Por Lívia Marra

Sabe aquele ossinho roubado pelo cachorro no churrasco? Ou aquele que alguém não resistiu a uma carinha fofa e deu durante um almoço em família ou ceia de fim de ano? Ele pode ser perigoso ao pet.

Conforme tamanho e espessura, ossos podem causar fratura nos dentes, ferimentos e até obstrução no esôfago.

“Se for muito grande e mais duro pode levar a fratura de dentes. Os menores e mais finos podem causar ferimentos e lacerações em boca, intestino e mesmo ficar parado no esôfago. O cão não é cuidadoso ao comer e pode engolir o osso inteiro levando a processos obstrutivos”, diz Marcelo Quinzani, veterinário do Hospital Veterinário Pet Care.

X

Segundo ele, ossos têm baixos níveis nutricionais e, atualmente, os animais não precisam deles na alimentação.

“O hábito de roer ossos é natural aos cães e mais raro em gatos e remete a seus ancestrais em decorrência da caça. Hoje podemos dizer que o cão moderno não precisa mais caçar e, consequentemente, não precisa mais roer ossos. Eles hoje recebem alimentação industrial ou mesmo caseira, já livres dos ossos e infinitamente mais nutritiva que aquela baseada em ossos e restos de comida”, afirma.

Veja cinco motivos para não dar ossos aos pets:

⁃ Intoxicação com bactérias e toxinas (botulismo)

⁃ Fratura de dentes

⁃ Laceração de palato, boca e ânus

⁃ Obstrução em esôfago ou mesmo intestino

⁃ Gastrite e vômitos