Dores, inchaço ou secreções podem indicar câncer de mama; saiba como prevenir

Por Lívia Marra

Câncer de mama também atinge animais de estimação. Tumores mamários são as lesões mais frequentes em cadelas e a terceira mais frequente em gatas, segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária.

Consultas de rotina são importantes para diagnosticar a doença em fase inicial. Mas o tutor deve ficar atento a alguns sintomas, como dores, inchaço, secreções, caroços na região das mamas ou próximo a elas.

O diagnóstico inicial é feito pela apalpação e observação de nódulos. Depois são realizados exames de raio-X e ultrassonografia.

Sobrepeso, idade e gravidez psicológica podem desencadear a doença, mas, como na medicina humana, o aparecimento de tumores em cadelas e gatas não tem uma única origem. “Observamos a natureza genética, ambiental e hormonal. Sabemos que ele acontece com maior frequência em fêmeas com idade entre 10 e 11 anos e também em fêmeas obesas”, diz Marcelo Quinzani, diretor clínico do Pet Care.

O tratamento pede cirurgia. Uma biópsia apontará a necessidade da quimioterapia. “A incidência de nódulos malignos nas mamas nas cadelas é de 50% e nas gatas é de 80%.”

É importante identificar o problema no começo. “Quando o tratamento é precoce, as chances de cura aumentam em 90%”, afirma Quinzani.

Alimentação correta e balanceada e controle do peso ajudam a prevenir a doença. Mas a forma mais eficaz é pela castração precoce.

“Estudos confirmam que a castração realizada antes do primeiro cio é o procedimento mais indicado, diminuindo para 0,5% a chance de desenvolver tumor de mama em cadelas. Se a castração for feita entre o primeiro e segundo cio, a chance aumenta para 8% edepois do segundo ciopara 26%”, diz Quinzani.

X

PARA NÃO ESQUECER

A preocupação deve ser constante. Mas outubro é o mês dedicado em varias países à prevenção do câncer de mama —o chamado Outubro Rosa.

Para marcar a ocasião, a Pet Model Brasil —agência de modelos pets— criou uma campanha com fotos lindas para conscientizar os tutores. Também listou informações importantes para a prevenção, de acordo com Carolina Rodriguez, veterinária parceira da Pet Model.

Veja algumas dicas:

– O câncer de mama não surge apenas em cadelas. Mesmo que as fêmeas sejam as principais atingidas, os cachorrinhos machos também podem sofrer com a doença.

– A doença surge, com mais frequência, em cães de 7 a 12 anos.

– É mito que se deve cruzar o cachorro caso não seja castrado. Estudos provam que não existe correlação da procriação com a diminuição da incidência do câncer de mama.

“Considerando que os hormônios sexuais aumentam o fator de risco, o cio acaba estimulando. Então, enquanto as cadelas tem um cio a cada seis meses em média, as gatas têm o cio estimulado pela presença do macho, ou seja, com muito mais frequência, aumentando seu risco. Quanto mais vezes ela entrar no cio, maior o risco. Por isso o aparecimento é mais comuns em cadelas e gatas a partir dos 9 anos de idade”, afirma a veterinária.