Confira cinco cuidados para evitar a coceira nos cães

Por Lívia Marra

Frequente, a coceira nos cães pode ser provocada por diversos fatores.

O problema afeta 40% dos animais que vão ao veterinário, afirma a Zoetis, companhia global de saúde animal.

Segundo pesquisa recente feita pela empresa, 63% dos 400 clínicos gerais entrevistados afirmam que de 3 a 5 consultas realizadas por dia estão relacionadas a doenças dermatológicas.

Algumas medidas podem ajudar a evitar a coceira. Porém, o tutor deve ficar atento e procurar o veterinário, caso apareçam sintomas de alergia.

Veja dicas de Alexandre Merlo, gerente Técnico de Animais de Companhia da companhia:

– Alimentos – carne bovina, frango e derivados do leite, entre outros alimentos, podem causar alergias intensas nos cães, sendo a coceira um dos principais sintomas. Em alguns casos, pode haver diarreia e até vômito. “Os tutores devem evitar oferecer aos cães alimentos não destinados a eles. Além das alergias, caracterizadas pela coceira, existem as chamadas intoxicações alimentares, em que se observam vômitos e diarreia com sangue – esses casos podem trazer complicações importantes, com necessidade de medicações injetáveis e até internações”, diz.

– Perfumes, xampus e produtos de limpeza – a composição  pode conter agentes alergênicos para os cães e causar irritação na pele, além de intoxicação. “Os tutores devem evitar o contato dos animais de estimação com os produtos de limpeza armazenados e também durante o seu uso em casa. Alguns deles podem causar dermatites de contato, queimaduras na pele e sintomas de intoxicação por inalação.”

– Ácaros – a lista de objetos que abrigam poeira e ácaros é grande e inclui tapetes, cobertores, cortinas e camas. “O pó pode causar alergias nos animais devido à presença de ácaros microscópicos, sendo a coceira um dos principais sintomas. Às vezes, o tutor acredita que a causa pode ser a picada de pulgas ou de outros parasitas, mas na verdade é um quadro alérgico que afetou a pele por causa de ácaros de poeira. Manter limpos os locais em que o cão permanece pode evitar esse mal. Muitas vezes, é necessário remover tapetes, carpetes e outros tecidos, para evitar a presença dos ácaros”, afirma.

– Pulgas e carrapatos – a recomendação é cumprir a agenda regular de prevenção de parasitas externos, mas se as picadas de pulgas e carrapatos desencadearem um quadro alérgico, procure o veterinário. “Existem medicamentos que podem controlar a coceira até que os parasitas sejam eliminados.”

– Pólen – flores devem ser evitadas nos ambientes com cães que têm alergia. O especialista alerta que é preciso tomar cuidado com as plantas em geral, pois algumas delas, como a comigo-ninguém-pode e a azaléia, são tóxicas para os animais.