Ninão vira livro; ‘foi uma saída para aguentar a pancada’, diz tutor

Por Lívia Marra
Atualização – 10/07/2017 – 19h18

Ninão conquistou internautas e acumulou seguidores em rede social com seu sorriso, fotos e vídeos irreverentes. A morte do cachorro, em dezembro do ano passado, pegou os fãs de surpresa e levou seu tutor, conhecido como ‘pai do Ninão’, a mergulhar no vazio. Foi então que uma ideia ganhou força: eternizar a história do cãozinho em livro, que agora virou realidade.

Em “Para sempre Ninão”, Rodrigo Coelho conta os momentos de convivência e as brincadeiras, desde que foi adotado –e sob narrativa do cachorro.

“É uma visão muito íntima da nossa história, coisas que não caberiam em nossos vídeos, mas que são interessantes. O livro leva o jeitão despojado, irreverente, criativo e ousado de nossos vídeos. Tem muita carga emocional, mas também situações para rir e se divertir. Não quero focar somente na tragédia e não quero que pensem que será um livro somente para chorar”, disse o pai do Ninão ao Bom Pra Cachorro.

Coelho diz que planejava a iniciativa havia algum tempo. “Na minha cabeça ainda viveríamos muitas histórias juntos e só depois disso seria o momento para um livro”, afirma.

Segundo o “pai do Ninão”, escrever “foi uma saída para aguentar a pancada” de perder o cão. “Me apeguei muito na ideia de produzir algo realmente forte e que pudesse manter a história do Ninão viva. Foram meses muitos intensos e dedicados somente em escrever este livro.”

X

Quando anunciou a morte em rede social, Coelho disse que o cãozinho lutava contra uma doença havia dois meses e que morreu em seus braços. “Foram 10 anos maravilhosos e eu não tenho palavras para agradecer a oportunidade de ter convivido com ele, espero que sua alma seja acolhida em um local de paz e tenho fé em reencontrá-lo em uma próxima existência”, escreveu na ocasião.

Ao blog Coelho conta que os dias seguintes não foram nada fáceis. “Terríveis, uma desesperança e descrença em tudo. Vontade de sumir, desaparecer”.

O luto e a repercussão –que surpreendeu o tutor– maltrataram. “Quando dei a notícia através do Facebook, a postagem teve mais de meio milhão de reações e mais de 100.000 comentários. Algo completamente gigantesco perante o público que estava acostumado a ver na página. Todos os grandes portais começaram a publicar a notícia, e o assunto ficou no topo dos trending topics do Twitter. Era um contraste de sentimentos, um misto de gratidão e desespero ao mesmo tempo, pois a proporção da coisa estava me judiando muito”, afirma.

As publicações do cãozinho sem raça definida e olhos claros eram bem humoradas e incluíam Ninão  em seu dia-a-dia ou em situações com adereços e fantasias –apareceu como Slash, Axl Rose, Jack Sparrow, Michael Jackson e chef de cozinha, entre outros.

Coelho, que tem em casa seis cães e uma porquinha, sente a ausência. “É uma ferida emocional que estará sempre aberta, mas tenho que aprender a viver com ela”, diz.

O livro saiu pela Coletivo Editorial e pode ser comprado on-line –custa R$ 49,50. “A distribuição está começando agora. Em breve estará em livrarias por todo país”, segundo o ‘pai do Ninão’.

O lançamento do livro “Para Sempre Ninão” ocorreu no domingo (9), na HiperZoo, em Curitiba, cidade onde Coelho mora. Segundo a empresa, a editora destinará parte das vendas do livro durante o evento para a ONG Amigo Animal, que cuida de mais de mil bichinhos.