CãoDulas invadem torneio de tênis para pegar bolinhas e conseguir um lar

Por Lívia Marra

Atualização – 4/3/2017 – Veja fotos da atuação dos CãoDulas 

Cachorro adora brincar com bolinhas, e, neste sábado (4), Cindy, Dexter, Pretinha, Mia, Arlete e Ovelha terão a chance de se divertir e de dividir a atenção do público com os finalistas do Brasil Open de Tênis 2017, no Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo. Em busca de adoção, os seis bichinhos atuarão como CãoDulas –cão gandula– no torneio.

Atualmente abrigados pelas ONGs Projeto Segunda Chance e Cão Sem Dono, o time foi treinado por voluntários. Para a seleção, a atração pelas bolinhas e a aceitação da atividade foram levadas em conta.

Apesar do trabalho dos cães durante a partida, a ideia é deixar que eles –é o público– se divirtam, além de incentivar a adoção.

“Não esperamos que esses cães sejam ‘profissionais’ em quadra, mas que façam uma atividade da qual gostam e mostrem ao público que eles podem ser grandes companheiros do homem. No ano passado, por exemplo, tivemos um cão que não quis devolver a bolinha. E o público se divertiu, aplaudiu. O importante não é o ‘trabalho’ que estão fazendo, mas a brincadeira saudável junto aos tenistas”, afirma Madalena Spinazzola, diretora de planejamento estratégico e marketing corporativo da PremieR pet, empresa que lidera o projeto.

Segundo ela, os animais envolvidos são dóceis, brincalhões e com idades entre oito meses e dez anos.

“A expectativa é quebrar ‘pré-conceitos’ que ainda existam em relação aos cães que aguardam adoção, sejam eles de quaisquer idades”, afirma.

Anunciada como participante, Nanda não passou bem nos últimos dias e será substituída por Dexter, segundo o Projeto Segunda Chance.

SEGUNDA EDIÇÃO 

No ano passado, CãoDulas já atuaram, com sucesso, na competição.

Na ocasião, foram quatro cães participantes, da Abeac, também parceira da PremieR. Atualmente, todos têm um lar.

“Um deles foi adotado por uma adestradora ainda na véspera do evento, pois a filha dela se apaixonou e não quis mais se separar do cão. Outros depois do evento. Nossa intenção com essa exposição é mostrar que esses cães que aguardam por adoção nas ONGs, independente do passado, podem ser companhias maravilhosas para o homem, em diversas atividades, inclusive no esporte”, diz Spinazzola.

A ideia de colocar CãoDulas nas partidas surgiu também em 2016 e ganhou repercussão internacional.

“Um reconhecimento gigantesco que comprova [o sucesso]: é uma ação que toca o coração das pessoas. Isso porque ela mostra os cães fazendo o que mais gostam, brincando, saudáveis, felizes. Ou seja: não exploramos o passado triste que eles viveram, o que importa agora é o que eles podem viver daqui pra frente. E eles têm muito amor e companheirismo para oferecer”, afirma a diretora da empresa.

ONDE VER? COMO ADOTAR?

Os CãoDulas vão participar da semifinal, na tarde deste sábado (4), e também estarão na cerimônia de premiação, no domingo (5), para receber os aplausos.

Quem quiser adotar um CãoDula pode entrar em contato com a PremieR pelo telefone 0800-55-6666, de segunda à sexta das 8h30 às 17h30.

Mas as ONGs Cão Sem Dono e Projeto Segunda Chance têm vários outros bichinhos à espera de uma família.

O site do torneio para outras informações é: brasilopen.com.br . Para ler mais sobre tênis, a dica é o blog Primeiro Serviço 🙂

Veja como foi a ação no ano passado: