Menina tem vitória na Justiça dos EUA após escola proibir cão de serviço

Por Lívia Marra

A família de Ehlena Fry, 13, teve nesta quarta (23) o apoio da Suprema Corte dos Estados Unidos em uma disputa que se arrasta há alguns anos e envolve Wonder, o cachorro de serviço da menina.

Ehlena nasceu com paralisia cerebral e, por isso, tem movimentos limitados. Ela recebe ajuda do animal nas atividades do dia a dia e, assim, tem mais independência.

Mas os problemas começaram em 2009, após a escola proibir a presença do animal na sala de aula –dizia que havia uma pessoa para dar suporte. Em 2012, processo apresentado pela família em tribunal federal alegou discriminação e lembrou que cães de assistência são permitidos por lei em instituições públicas.

Agora, por 8 votos a 0, a Suprema Corte decidiu que a família não pode enfrentar longos procedimentos administrativos antes de entrar com processo por danos contra a unidade de ensino, segundo a agência Reuters. A decisão abre caminho para que pessoas em situação semelhante busquem reparação. 

“Estamos gratos que a Suprema Corte esclareceu que escolas não podem tratar crianças com deficiências diferentemente ou ficar no caminho da sua desejada independência”, disse Stacy Fry, mãe da garota, conforme a agência de notícias.