Santos e Campinas, em SP, proíbem fogos de artifício com barulho

Por Lívia Marra

Soltar fogos de artifício que façam barulho agora é proibido em locais públicos e privados nas cidades paulistas de Santos e de Campinas. As medidas, sancionadas neste mês, são alívio para os animais, que sofrem a cada comemoração.

Em Santos, no litoral, a lei sancionada na terça (17) pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa permite apenas fogos de luzes com ausência de estampido. “Os efeitos visuais do espetáculo do Réveillon estarão garantidos”, afirma.

O projeto é do vereador Benedito Furtado, e a meta agora é conscientizar a população.

“Fogos são tradições da humanidade, não queremos acabar com a festa, mas sim com o barulho dos fogos que são um tormento a cães, gatos, pássaros e também aos seres humanos. Em função dessa lei, muitas vidas de animais serão salvas”, disse o vereador, segundo a prefeitura.

INTERIOR

Em Campinas, o prefeito Jonas Donizette, sancionou a lei no dia 2. Segundo a prefeitura, o objetivo é manter o bem estar não só dos animais, mas de idosos, doentes, bebês e crianças que sofrem com os estouros.

“No segundo dia de nosso governo, estamos sancionando uma lei que resguarda a vida dos nossos animais”, disse o prefeito na ocasião.

Donizette, porém, vetou a multa prevista, de cerca de R$ 620, por entender que, primeiro, é preciso conscientizar a população e pediu apoio de ativistas para denunciar casos que desrespeitem a lei.

PERIGO

O barulho dos fogos é um tormento para os animais. Muitos se machucam na tentativa de procurar um abrigo para se esconder, outros acabam correndo e se perdendo de casa. E alguns passam tão mal que podem até morrer.

Inquietação, tremores, salivação excessiva e falta de apetite são algumas das reações dos cães aos fogos.

“Alguns cães podem ter reações de medo exacerbadas, ou seja, ficam realmente apavorados”, afirma  o zootecnista e especialista em comportamento animal Alexandre Rossi. Segundo ele barulhos altos e fortes significam sinal de perigo aos animais.